Empreendedores sustentáveis buscam modelos de negócio para trabalhar com impacto socioambiental

Empreendedores sustentáveis buscam modelos de negócio para trabalhar com impacto socioambiental

Organizações e novos negócios sustentáveis procuram fonte de receita com inovação, suporte técnico e de marketing verde, trabalhando pela valorização de resíduos sólidos. De acordo com o relatório sobre Sustentabilidade do Sistema de Inteligência Setorial do Sebrae, publicado em  2013, o chamado setor 2.5, formado por empresas que não são somente destinadas ao lucro, vem crescendo no país.

Do total de empresas que procuram o Sebrae, entre 20% e 30% são projetos com este perfil, conforme o relatório. O setor 2.5 é um novo tipo de negócios em franco crescimento no mundo que permite aos empreendedores unir sustentabilidade financeira e impacto positivo à sociedade.

Apesar da vigência da Política Nacional de Resíduos Sólidos- lei 12.305/12, apenas 3% do lixo do Brasil é reciclado. Dos que são direcionados para reciclagem, 60% são considerados sem valor comercial e, portanto, descartados. Existem destinações que são legais, mas não são nobres, como os aterros.

O relatório de pesquisa do Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Urbanos, realizado pelo Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, de 2012, apresenta que o plástico é aquele com menor taxa de reciclagem. Comparando os diferentes materiais, os plásticos são aqueles que apresentam menor taxa de recuperação, sendo potenciais alvos para políticas específicas de estímulo à reciclagem.

Considerando que aterrar resíduos não gera receita, benefícios socioambientais ou ganho de imagem, significando despesas para as empresas, a startup Bio8 licencia um modelo de negócio de impacto, e impulsiona outros negócios para que também gerem impacto social e ambiental positivos de forma intencional.

A Bio8 entende que sustentabilidade é muito mais do que dar destino ao lixo, é atender aos aspectos econômicos, ambientais e sociais. A startup atende a esta demanda licenciando seu modelo de negócio de solução de resíduos. Ao adotar o modelo da Bio8, os empreendedores passam a ter fonte de receita na valorização de resíduos sólidos, inclusive os tidos sem valor comercial, de forma sustentável.

O equipamento utilizado no processo de beneficiamento, diferentemente de métodos tradicionais, aceita a mistura de resíduos sólidos diversos. O resíduo é moído e processado no misturador, criando uma massa uniforme e moldável. Após, é prensada em matriz ou injetada, criando novos produtos. A escala é ajustável à necessidade do empreendedor.

Compartilhar nas redes

Voltar